AFP PHOTO

Na Roma antiga tínhamos dois lutadores, o espetáculo só acabava quando um deles morria.

O tênis proporciona um espetáculo mundialmente. Temos grandes atletas, grande público e torneios que rodam todo o planeta: a cada semana, um circuito em uma cidade diferente.

Como qualquer outro atleta de alto nível, a vida do tenista não é fácil: são horas de treinamento, de viagens, de repetições e repetições, tudo para disputar uma partida ou um torneio e realizar o sonho de ser campeão.

E qual o limite de um jogo de tênis? Quantas horas podem durar? Até quando os atletas podem suportar?

Na final do Australian Open de 2012, assistimos a uma batalha: dois grandes jogadores, Novak Djokovic e Rafael Nadal, ambos chegaram a exaustão. A partida terminou após incríveis 5h53min é a final mais longa de um Grand Slam, tipo de torneio que não vai para o tie break no último set, no qual é declarado o vencedor, aquele que tiver vantagem de dois games. Nessa final, Djoko ganhou por 5/7, 6/4, 6/2, 6/7 e 7/5.

O jogo mais longo da história foi nos palcos londrinos, em 2010, o americano John Isner e o francês Nicolas Mahut, jogaram por incríveis 11h05. Na final: 3×2 para o americano, com incríveis parciais de 6/4, 3/6, 6/7, 7/6 e 70-68. Sim, esse foi o placar no último set. Somente o quinto set durou incríveis 491min.

Mahut Isner Tênis
O francês nem conseguiu sorrir pra foto, esgotado.

Em Wimbledon, o torneio de tênis mais antigo do mundo, o terceiro major do ano, no meio de tantos jogos longos, o brasileiro Bruno Soares ao lado de Jamie Murray travaram um duelo por mais de 5 horas contra Michael Venus e Mate Pavic.

Bruno em busca de uma Grand Slam
Bruno Soares exausto- dois jogos que duraram 9h34min

Tivemos ainda o brasileiro João “Feijão” Souza na batalha em Buenos Aires, partida válida pela Copa Davis, foram 6h41min, o adversário era Leonardo Mayer, que acabou vencendo por 3 sets a 2 – 7/6, 7/6, 5/7, 5/7 e 15-13, o segundo jogo mais longo da história, e o jogo de simples de maior duração na própria Davis.

Feijão anestesiado, 2º jogo mais longo da história

A grande questão é: para quem isso é bom? A minha resposta é que não é bom para ninguém. A televisão que detêm os direitos de transmissão não quer mostrar um jogo com duração de 5 horas, os torcedores, apesar de amarem o esporte, cansam de um jogo tão longo assim e, ainda temos os juízes, os apanhadores de bola e todo o staff por trás de uma partida de tênis. Então porque isso ainda acontece? Bem, só vemos acontecer em Grand Slam e Copa Davis, torneios que são organizados pela ITF – Internacional Tennis Federation, uma vez que os torneios da ATP (Masters 1000, 500, 250 e demais) são disputados em melhor de 3 sets.

Chegou a hora dessa situação mudar, sabemos que o tênis é clássico e que suas regras são seculares, mas não podemos aceitar jogos tão longos.  Existem vários fatores importantes envolvidos, mas com certeza nenhum deles é mais importante que a saúde dos jogadores.

Não estamos mais na Roma antiga e não somos gladiadores.