Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira (7), a equipe feminina do Brasil inicia sua campanha em busca de uma vaga nos playoffs do Grupo Mundial II da Fed Cup. Para isso, a seleção nacional tem que vencer o Zonal Americano I, e o técnico do time, o ex-tenista gaúcho Fernando Roese, está confiante em uma boa atuação de suas comandadas em Assunção, no Paraguai.

LEIA MAIS:
+ Backhand Na Paralela #28: Balanço da 1ª rodada da Davis Cup
+ Thiago Wild recebe convite da organização e jogará quali do Rio Open

Nesta fase da competição entre nações, o Brasil será representado por Beatriz Haddad Maia (59ª), Gabriela Ce (405ª), Nathaly Kurata (429ª) e Luisa Stefani (570ª). O país está no Grupo B, ao lado de Argentina, Guatemala e Venezuela, e Roese apontou qual equipe pode apresentar a maior dificuldade para as brasileiras.

“As expectativas são boas. Temos um time muito parelho com as outras equipes. Acredito que, no nosso grupo, a Argentina venha a ser a seleção mais difícil de se enfrentar”, declarou Fernando em entrevista exclusiva ao TENNIS INFO.

A principal esperança do Brasil é Beatriz Haddad Maia. A paulistana, que tem apenas 21 anos, é a número 1 do país e 59ª colocada do ranking mundial. Por isso, Roese exaltou o momento de Bia e acredita que a tenista possa influenciar positivamente o resto da equipe.

“Claro que, pelo momento, a Bia pode passar muitas coisas positivas. Ela merece estar onde está, pois sempre trabalhou muito duro em busca disso, e acredito que possa ir mais longe ainda”, continuou.

Por fim, Fernando explicou sobre a convocação, que contou com algumas surpresas, como Kurata, que representará o país na competição pela primeira vez na carreira. O Brasil estreia nesta quarta, contra a Venezuela.

“Falei com todas as meninas que acredito que poderiam estar no time. Algumas, por motivos pessoais, não poderiam jogar, e assim formei o grupo. Quanto à escalação dos nomes para os confrontos, os treinos vão mostrar melhor quem poderá jogar”, finalizou o capitão brasileiro da Fed Cup.