Reprodução / Twitter

Rafael Nadal vive uma ótima temporada em 2017. Atual número 5 do mundo, o espanhol venceu dois títulos em cinco finais e é o segundo tenista que mais pontuou no ano, atrás apenas de Roger Federer, que conquistou três torneios. A boa fase dos dois tenistas é o oposto do que vivem os dois primeiros do ranking mundial: Andy Murray e Novak Djokovic.

Leia mais:
Chung surpreende Monfils em Munique; Sá cai nas duplas em Estoril
Bia Haddad leva virada e cai nas quartas em Praga, mas vai subir no ranking

Cada um possui apenas um título na atual temporada. Enquanto Murray venceu no ATP 500 de Dubai, Djokovic foi campeão no ATP 250 de Doha, no Catar. Apesar disso, os dois tenistas vivem uma temporada abaixo do esperado nos principais torneios do ano e não vem mostrando aquele tênis de encher os olhos. Ainda assim, Nadal crê que é apenas questão de tempo para os dois melhores do ranking voltarem a desempenhar o tênis que os consagraram.

“Eles são os dois melhores do ranking por algum motivo. Se não recuperarem o nível nos próximos torneios, será nos seguintes”, disse o espanhol. Nadal ainda brincou que o retorno do britânico e do sérvio não será tão bom para ele. “Eles vão voltar mais cedo ou mais tarde, infelizmente para mim”, brincou o canhoto.

As duas conquistas de Nadal em 2017 foram alcançadas nos últimos 15 dias, quando Rafa faturou o decacampeonato do Masters 1000 de Monte Carlo e do ATP 500 de Barcelona. O Touro Miúra ainda jogará outras três competições no saibro e afirma que ficaria feliz de lutar pelo décimo título também em Roland Garros.

“Depois de duas semanas muito positivas, agora trabalho para chegar nas melhores condições a essas competições. Estou muito bem, e meu objetivo é tentar que meu nível de jogo e minha competitividade sigam sendo altos. Adoraria lutar por essa possibilidade e qualquer coisa pode acontecer. Porém, saber que ganhei em Monte Carlo e em Barcelona é suficiente para mim”, finalizou.

Compartilhar
Jonas Furlan
Descobriu o tênis em 1993, quando jogava Tennis Ace no Master System. Anos depois, um de seus tios emprestou uma raquete e nunca mais parou de jogar. É fundador do Portal Rackets e cobre o tênis nacional e internacional há mais de seis anos.