Sr. e Sra. Federer ao lado do filho Roger - Foto: Blick.ch

Roger Federer não é somente um grande tenista mas também uma grande pessoa. Em 2004, ele abriu a fundação que leva seu nome e que no fim de 2018 acolherá um milhão de crianças nos dois centros em que a entidade funciona – Suíça e África do Sul.

Leia mais:
Brasil enfrenta Japão fora de casa na Copa Davis
O que esperar da temporada de saibro?

Em 2015, Federer visitou o país africano e lá, ele disse que se sente uma pessoa comum. “Eles não o conhecem lá”, disse Lynette Federer, mãe do jogador, ao site suíço Watson. “Nas aldeias onde a fundação trabalha, não há eletricidade e acesso a revistas esportivas. Para eles, é muito difícil compreender como você pode ganhar através de uma partida. Por isso, nosso principal objetivo é dar educação e qualidade nas escolas em que a fundação atua. Além das seis regiões em que trabalhamos na África do Sul, fazemos isso da mesma forma na Suíça, onde também há pobreza.”, disse a mãe do suíço.

Em seu país natal, Federer é conhecido por também ajudar seu povo, o que faz sua mãe naturalmente ser “popular” para o país. “Sou uma pessoa conhecida na Suíça, mas temos uma boa educação, que me permite ser muito feliz. Muitas vezes sou convidada para alguns eventos em honra de Roger e gosto disso. Como avó, também gosto de estar o máximo de tempo possível com meus netos, o que é difícil fazer durante os torneios.”

Sobre a infância de Roger, Lynette acrescenta: “Ele nunca relutou em ir à escola, ainda que ele tivesse que dividir seu tempo com uma quadra de tênis ou jogando futebol. A escola é um local onde você adquire conhecimento e a vida é um longo processo de aprendizagem e quando você interrompe isso, acaba perdendo. Aprendizado: essa sempre foi a força de Roger. Ele é uma pessoa que ouve sugestões, analisa situações e críticas e não mede esforços para melhorar diariamente.”, conclui a mãe do maior campeão de Grand Slam da história do tênis masculino.

Compartilhar
Jonas Furlan
Descobriu o tênis em 1993, quando jogava Tennis Ace no Master System. Anos depois, um de seus tios emprestou uma raquete e nunca mais parou de jogar. É fundador do Portal Rackets e cobre o tênis nacional e internacional há mais de seis anos.