Nada deu certo para Wawrinka contra Nadal. Foto: FFT/Twitter @RolandGarros

DIRETO DE PARIS

Uma derrota dura de assimilar, principalmente quando se está jogando no melhor de sua forma física e mental. Assim o suíço Stan Wawrinka definiu o resultado da final de Roland Garros 2017, em que foi dominado por Rafael Nadal em 2 horas e 5 minutos, com um elásticoplacar de 6-2, 6-3 e 6-1.

Eu tentei de tudo para mudar o jogo, para encaixar os golpes. Mas peguei Nadal na melhor forma de sua carreira até hoje“, contou o abatido Wawrinka na sala de coletivas da quadra Philippe Chatrier, minutos após o término da partida.

Mesmo o desgaste da maratona de mais de 4 horas e meia contra Andy Murray nas semifinais não foi usado como desculpa por Wawrinka: “Estou surpreendemente bem fisicamente: sem dor nenhuma, com o corpo em ordem e jogando bem desde Genebra [onde conquistou o título na semana anterior a RG]. É que hoje Nadal estava imparável!

Para a temporada de grama, que se inicia semana que vem, Wawrinka terá ajuda extra no seu camarote: Paul Annaconde, ex-treinador de Roger Federer e Pete Sampras, deixa seu posto de comentarista no Tennis Channel e se junta a Magnus Norman para orientar o suíço na busca pelo Grand Slam que ainda falta na carreira vitoriosa de Wawrinka.

A parceira tem hora para acabar: Annaconde vai orientar Wawrinka por quatro semanas, num acordo parecido com o que Jelena Ostapenko teve com Anabel Medina Garrides para a temporada de saibro – e que culminou com a conquista do Grand Slam.

Compartilhar
Jeff Paiva
Jornalista e publicitário, cobriu esportes de 1997 a 2005 por veículos como Tennis View, Terra e UOL. Aprendeu a jogar tênis depois de anos cobrindo o esporte e entendeu que é bem mais complicado jogar do que falar. Ainda assim, fala muito - aqui e no podcast Backhand Na Paralela.