Crédito Foto: Marcelo Pereira/M11 Photos

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, na loja Centauro do Shopping Bourbon, em São Paulo, Marcelo Melo fez um balanço da sua temporada até o momento e projetou seus próximos objetivos na sequência de torneios ao lado do seu parceiro Lukasz Kubot que inclui os Masters 1000 de Madrid, Masters 1000 de Roma, Roland Garros, ATP 500 de Queen’s e Wimbledon.

Além de conversar com a imprensa sobre seu momento no circuito mundial, o mineiro anunciou uma novidade: seu novo site. O mais novo canal de comunicação com o público e a mídia reunirá notícias e atualizações sobre o brasileiro, galeria de imagens, perfil, contatos e futuramente uma loja exclusiva com produtos do Girafa. Acesse em www.melomarcelo.com.

Leia mais
+ Bia Haddad leva virada e cai nas quartas em Praga, mas vai subir no ranking
+ Chung surpreende Monfils em Munique; Sá cai nas duplas em Estoril

Melo ainda comentou sobre o bom momento no circuito ao lado de seu parceiro Kubot – após conquistar o vice em Indian Wells e o título em Miami – e quais serão as prioridades para a sequência da temporada. Confira isso e muito mais na entrevista abaixo:

(pergunta do Tennis Info) Vocês fizeram uma campanha muito boa em Indian Wells e Miami, venceram de grandes duplas e ganharam confiança ainda mais com o título na Flórida. Essa conquista foi especial? O que você pode comentar sobre a dobradinha norte-americana?

Indian Wells e Miami são dois torneios que eu gosto muito de jogar. Na Califórnia deixamos escapar o título no detalhe na final e saímos com gostinho de quero mais. Na Flórida chegamos a salvar match point na primeira rodada, mas na final entramos muito focados e ter ganho em Miami foi muito importante para nossa confiança. Nós sabemos que agora podemos vencer qualquer dupla.

Qual a importância dessa gira europeia para que você se consolide entre as melhores duplas do ano e quem sabe garanta o quanto antes sua classificação para o ATP Finals?

A gente está na segunda colocação no ranking da corrida, normalmente as duplas precisam de 3.500 pontos para se classificar e estamos bem perto disso. Mas como sempre falo, torneio a torneio, passo a passo, quem sabe teremos a chance de classificar.

Crédito Foto: Marcelo Pereira/M11 Photos

Há exatamente dois anos, lembramos de você aqui nesta mesma mesa em entrevista coletiva após voltar da gira européia e como número 1 do mundo. Qual a expectativa dessa sequência de torneios? Ser novamente o líder do ranking está nos planos? Até que ponto isso é um objetivo? 

Eu também me lembro muito bem deste momento. Quem sabe eu consiga repetir esse feito. Quero ganhar Wimbledon. Roland Garros seria ótimo. Acho que estou evoluindo, passei a jogar de uma maneira mais consistente e isso está ajudando bastante. Quem sabe eu consiga voltar ao topo, mas é muita responsabilidade nas costas. Meu principal objetivo era consolidar a dupla com o Kubot e acho que é possível. Não estou tão longe assim.

Atualmente o ranking de duplas está muito aberto. Assim como nos rankings de simples masculino e também no feminino. Como você avalia esse momento do tênis de um modo geral?

O tênis hoje está muito competitivo em todos os aspectos. Nas duplas vocês podem ver que várias novas parcerias estão brigando nas primeiras posições e os jogos estão sendo decididos em pequenos detalhes. O nível técnico e competitivo está muito alto. Novas duplas chegaram e acabam deixando o circuito mais equilibrado. Semelhante ao que aconteceu com o Djokovic. Novos tenistas estão aparecendo e fazendo bonito no circuito.

Crédito Foto: Marcelo Pereira/M11 Photos

Em setembro acontece o confronto contra o Japão pela repescagem mundial da Copa Davis e os jogos vão ser no piso rápido, como já era esperado. Vocês estão confiantes? Você acha que dá para o Brasil vencer? Como está essa expectativa?

Eu acho que dá. O fato de jogar no Japão não atrapalha muito, ainda mais pelo piso porque eu e o Bruno (Soares) gostamos de jogar na quadra rápida. Eu não acho que eles vão utilizar um piso extremamente rápido. Tem a questão de o Nishikori jogar ou não. Muda muito se ele jogar, mas acho que hoje temos um time bom. O Thiago (Monteiro) e o Thomaz (Bellucci) vem jogando muito bem e espero que a gente consiga passar e voltar ao grupo mundial da Davis. Seria muito bom para todo mundo.

Marcelo Melo possui o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) e Volvo. Para mais informações:
Site www.melomarcelo.com
Fanpage facebook.com/marcelomelo83
Instagram @marcelomelo83