Foto: Reprodução Twitter

Ontem Maria Sharapova mostrou ao mundo do tênis que o que não te mata, te faz mais forte! Com diversos problemas que torço que estejam no passado, Maria mostrou que voltou com tudo. Fez um duelo de titãs contra a sem sorte Halep, num jogo franco e muito agressivo.

Halep, realmente tem que se benzer, pois Sharapova solta na chave em decorrência do baixo ranking, foi cair logo contra ela na primeira rodada. Já havia perdido anteriormente duas oportunidades de assumir o primeiro posto do ranking e agora mais essa.

Maria mostrou muita determinação em manter constante ataque em trocas de bolas fantásticas do fundo da quadra, com muita melhora em sua movimentação e respostas de saques contundentes. Deixou claro que quer voltar às grandes vitórias e também nos brinda com sua beleza, que deixa mais florido o tênis feminino. Se jogar os próximos jogos o que jogou ontem, será uma grande candidata ao título.

Outra beldade que ontem começou muito bem no torneio foi Muguruza que não quis muita conversa e ganhou rapidinho.

No masculino que o negócio está bem interessante…

Zverev estreou num jogo difícil na primeira rodada, em 3 sets diretos com direito a primeiro set no tie break o que foi ótimo para ganhar ritmo e confiança num Grand Slam. Gostei de sua declaração de não estar satisfeito somente em ser o cabeça 4 do torneio, e confirma o que eu escrevi em uma de minhas matérias anteriores que seu objetivo é conquistar o posto de melhor do mundo. Tem potencial de sobra para isso e para mim é a estrela dos NextGens. Os outros membros da nova geração precisam correr atrás da consistência de Sacha.

Thiem altos e baixo. Kyrgios uma incógnita, se quiser jogar sério pode fazer muito estrago, pois lhe sobra talento, mas ainda falta cabeça pois não jogou bem a final contra Dimitrov, que é outro que esbarra no mesmo problema apesar de ter sido campeão em Cincinatti. Vamos ver!

Cilic um ex-campeão do US Open começou com tudo ganhando seu primeiro jogo e outro que estreou arrasador foi Shapovalov atropelando o russo Medvedev em sets diretos. Agora meus amigos, estou muito curioso para ver 2 estreias, de nossos ídolos Federer e Nadal. Independentemente de contra quem joguem, quero ver os sinais que eles nos vão apresentar.

Federer terá que mostrar a mesma fome de bola e atitude que teve nos torneios que ganhou até julho. Esteve irreconhecível todo o torneio de Montreal e estou ansioso para ver sua apresentação na estreia. Torço para ver o Super Fed faminto de mais uma grande vitória num Grand Slam, pois são jogos inesquecíveis que enchem nossos olhos.

Rafael Nadal, o Touro Miúra, torço que tenha tido consciência do que tem acontecido em suas recentes derrotas. Escrevi em minha coluna anterior sobre o saque e com certeza esse é um fundamento crucial no tênis agressivo e rápido que estão jogando hoje principalmente.

Se o Nadal conseguisse sacar seu primeiro saque mais relaxado, ampliando seu movimento indo buscar a bola mais alto, melhoraria a regularidade e velocidade do seu saque. Ele tem a tendência de fazer muita força no saque, o que no decorrer do jogo vai cansando seu ombro e o movimento encolhendo um pouco, baixando seu percentual de acerto. Daí começa a jogar muito com o segundo saque, onde está sendo metralhado.

Também quero ver o Touro Miúra mais agressivo, indo mais para as bolas e buscando a rede. Será fundamental para ele também, se movimentar mais nas respostas de saque, alternando mais atrás e as vezes à frente esperando para responder, ou abrindo o espaço para ameaçar que responderá com seu forehand, principalmente com os grandes sacadores, fazendo com que eles pensem sempre para sacar.

Não dá mais para Rafa ficar o tempo inteiro esperando para responder o saque 3 metros para trás, deixando o sacador confortável em suas opções. Quero ver Nadal diferente neste Slam, assim teremos seu melhor, pois tem coração de sobra.

Como podemos ver amigos o ultimo Grand Slam do ano tem tudo para ser um belo espetáculo. Um grande abraço e vamos nessa!

Compartilhar
Eduardo Oncins
Como profissional participou de todos os Grand Slams, integrou a equipe da Copa Davis em 1982 e com 15 anos já tinha pontos na ATP. Além do tênis é faixa preta de Aikido e utiliza várias técnicas da arte marcial como ferramenta para o desenvolvimento de tenistas.