Reprodução Fórum Tennis Warehouse/AngieB

Com certeza Wimbledon é um dos mais esperados torneios do ano! Foi onde tudo começou! Existe aquele ar de realeza, onde os jogadores na quadra central se curvam ao sair da quadra para o box da nobreza e onde os troféus de vencedores são entregues por um sangue azul.

O uniforme branco impera como forma de respeito à tradição que antigamente era chamado de “O Esporte Branco”. Um esporte de cavalheiros onde o sportsmanship prevalecia acima de tudo. Entrar em Wimbledon para um tenista é a mesma sensação de uma criança entrar na Disney e ver o castelo e o Mickey pela primeira vez, rs.

LEIA MAIS
+ Murray, Nadal, Wawrinka, Halep e mais três brasileiros nesta segunda em Wimbledon
+ Nike lança novos modelos de vestuário e calçados para Wimbledon 2017

Torneio na grama, jogo bem mais rápido, onde teoricamente não deveriam existir muitas trocas de bola e há algum tempo atrás predominava o saque e voleio. Até aparecer um sueco chamado Bjorn Borg, que ganhou 5 vezes jogando no fundo da quadra, e dizer: “pessoal, não é bem assim”. Depois apareceu um norte-americano cabeludo, invocado e doidão chamado John McEnroe e dizer ao sueco: “volta para o saibro que agora esse lugar é meu”.

Também tivemos outras grandes disputas ao longo do tempo incluindo heróis: Connors, Lendl, Becker, Sampras, Agassi e outros mais. Agora, em nossos dias da liga da justiça entre heróis e vilões, temos: Super Federer, Touro Nadal, Coringa Djokovic, Charada Murray, Homem Elástico Monfils, The Flash Nishikori, Robin Thiem, Acquaman Zverev e assim vai, rs.

Mas a grama senhores, não é brincadeira fácil. Muito diferente do saibro a bola pinga muito baixo, rápido e nem sempre um pingo uniforme. O jogador precisar ficar muito ligado. Não dá para entrar, começar devagarinho e ir aquecendo. Tem que estar desde o início super esperto, pois uma quebra de saque pode ser fatal no set. Os jogos são em melhor de 5 sets, e se não ficar ligado, muitas vezes o jogo com um dos favoritos pode se tornar dramaticamente longo.

Principalmente na primeira semana, onde a grama esta novinha, bem verde, e se estiver um dia húmido, bota rápido nisso. A primeira semana é muito perigosa para os Tops, pois também muitos jogadores que preferem jogar mais nas quadras rápidas e não são tão conhecidos estarão lá. Esses são os grandes sacadores, voleadores e as vezes até meio kamikazes, que podem tirar um dos Tops da jogada. Ainda mais se esse Top for um jogador que prefere o jogo de fundo de quadra.

VEJA TAMBÉM
+ Wimbledon 2017: saiba como assistir ao Grand Slam ao vivo na TV
+ Adidas divulga coleção para Wimbledon com looks assinados por estilista britânica

Na primeira semana, os jogadores de fundo com certeza não estarão respondendo os saques tão bem quanto na segunda semana, onde já estarão com mais ritmo e reflexo mais adaptado. Na segunda semana, a grama já sofre um pouco mais de desgaste, fica mais batida e em alguns pontos da quadra até meio careca, como no “T”, onde acontecem os voleios, e perto da linha de base onde o jogador se movimenta mais.

A quadra pode ficar um pouco mais lenta também se fizer calor, pois a partir da segunda semana os jogos não se realizam tão cedo como na primeira semana, e a humidade fica menor. O meu super-herói é o Super Federer, especialmente em Wimbledon, onde é um verdadeiro maestro na grama.

O suíço tomou um susto em Stuttgart e perdeu na primeira rodada, como mencionei acima que é possível na grama. Mas felizmente se livrou da kriptonita e faturou o torneio seguinte em Halle, Alemanha, ganhando na final do Acquaman Zverev, que tem bastante para aprender com o Fed nesse piso.

Bem, que cada um torça com fervor para seu herói ou vilão e que a emoção de grandes batalhas nos brinde nesse maravilhoso Wimbledon 2017! Um abraço e logo mais adiante, falaremos mais de Wimbledon.

Compartilhar
Eduardo Oncins
Como profissional participou de todos os Grand Slams, integrou a equipe da Copa Davis em 1982 e com 15 anos já tinha pontos na ATP. Além do tênis é faixa preta de Aikido e utiliza várias técnicas da arte marcial como ferramenta para o desenvolvimento de tenistas.