Crédito foto: Twitter Roland Garros

Foi com muita emoção que assisti a DÉCIMA vitória em Roland Garros de RAFAEL NADAL. Um torneio brilhante do espanhol passando como um trator por cima de todos. Com um nível de tênis incrível, mostrou que é o maior imperador do saibro de todos os tempos até o momento.

Pensei que iria dar uma balançada no começo do torneio por causa da derrota para o Thiem em Roma. Também achei que pudesse dar uma complicada com o Thiem nas semifinais, mas o austríaco entrou na quadra meio perdido, parecia que não estava a fim de jogar melhor de 5 sets com o Touro do outro lado.

Falta mais amadurecimento ao Thiem para ganhar os Slams. Com o tempo VIRÁ, pois, golpes tem de sobra. Mas mesmo que Thiem tivesse jogado bem, a missão do outro lado era bem complicada. Nadal estava com a cabeça feita para ir até a última bola. Jogou todo o torneio com uma super intensidade.

Nos jogos, repetiu-se a mesma sistemática, parecia um replay. O primeiro set começava um pouco mais lento e seu jogo ia ganhando volume, velocidade e muita agressividade. No final do segundo e terceiro sets, um atropelo.

O que gostei mais no Nadal, foi sua postura, aproveitando toda a oportunidade de entrar mais na quadra e atacar mais. Estava muito forte mental e fisicamente. Seu forehand inside out, de dentro para fora na direita do adversário estava devastador, buscando constantemente essa jogada, com uma movimentação de pernas incrível.

Aliás, como ele domina os ângulos da quadra com seu forehand! Fez alguns winners na corrida que o suíço Wawrinka está procurando até agora, rs. O backhand com a confiança lá em cima, metia a mão entrando bem na quadra. Também praticamente, todas as vezes que veio a rede, ganhou os pontos no voleio.

Penso que deveria explorar mais à rede, pois inúmeras vezes coloca seus adversários em cheque e se viesse à rede na sequência, terminaria os pontos mais cedo, pois voleia muito bem.

No seu saque, se tivesse um melhor percentual do primeiro serviço seria mais letal ainda. Exemplo de quando está jogando com o Federer que o machuca muito atacando seu segundo saque entrando na quadra para devolver acelerando muito. Vamos ver as cenas dos próximos torneios.

Uma coisa que me chamou a atenção na premiação, foi a retrospectiva que fizeram dele no torneio. AS 10 VITÓRIAS, 10 TÍTULOS DE ROLAND GARROS!

O que deve ter passado na cabeça dele com certeza, um prêmio impagável. Todo o suor, treinos, lesões, recuperações, tristezas, alegrias, dúvidas, sacrifícios, superação! A emoção, os olhos cheios de lágrimas, diziam tudo!

COM CERTEZA ABSOLUTA, AFIRMO UMA COISA: NÃO HOUVE ARREPENDIMENTO NO SEU PENSAMENTO.

Olhando para traz, deve ter observado e pensado, todo o caminho, sua JORNADA percorrida. Pagou o preço para ver, enfrentou muitos fantasmas, olhou dentro dos olhos e seguiu adiante. O aprendizado que acumula, é só seu, o conhecimento a vivência marcada como fogo no seu espírito! NINGUÉM PODE TIRAR ISSO DELE!

Também o muito que representa e motiva os jovens mundo a fora. Imaginem a riqueza de conhecimentos que ele terá para passar adiante. Conhece bem o caminho das pedras. E a humildade dele e o reconhecimento da importância do seu tio, pedindo que ficasse no pódio com ele.

Disseram que ganhará uma estátua no complexo de ROLAND GARROS. Merecido!

A LINDA JORNADA VITORIOSA de RAFAEL NADAL será contada pelo resto dos tempos tenísticos.

Até a próxima, abraços.

Compartilhar
Eduardo Oncins
Como profissional participou de todos os Grand Slams, integrou a equipe da Copa Davis em 1982 e com 15 anos já tinha pontos na ATP. Além do tênis é faixa preta de Aikido e utiliza várias técnicas da arte marcial como ferramenta para o desenvolvimento de tenistas.