Neste ano, o Australian Open nos apresentou algumas surpresas logo no início da temporada 2017. Grandes jogos foram realizados em Melbourne e, consequentemente, foi um torneio que marcou e sempre estará na minha memória.

Surpresas no masculino e feminino: Entre os homens, as eliminações precoces de Djokovic e Murray. Eram considerados os favoritos para chegar à decisão do Slam australiano, devido ao excelente ano passado de ambos e ao tênis que vinham jogando, principalmente, o britânico. Contudo, não contavam com o excelente jogo que seus adversários fizeram e não jogaram no seu nível normal de jogo.

No feminino, as grandes surpresas foram as norte-americanas Venus Williams e CoCo Vandeweghe, respectivamente, 11ª e 20ª no ranking da WTA. Nas ultimas temporadas, Venus não conseguia repetir seu nível de jogo de anos anteriores, devido aos seus 36 anos de idade, que é extremamente normal de ocorrer. Vandeweghe chegou à semifinal, eliminando algumas favoritas. Despachou duas jogadoras que estão no top 10, são elas a alemã Angelique Kerber e a espanhola Garbiñe Muguruza, além da belíssima Eugenie Bouchard.

O auge do torneio foi a final masculina e feminina. O “FEDAL” era a final que grande parte do público gostaria de ver, atualmente, a maior rivalidade do tênis mundial. Ambos vinham de longo período de inatividade e, surpreendentemente, voltaram a jogar em alto nível.

Não esperava ver o Roger Federer jogar neste nível novamente, pelo período de inatividade e devido a sua idade. Mas, felizmente, voltou jogando um belíssimo tênis e como é bonito vê-lo em quadra. O que mais me impressiona é a facilidade dele jogar este esporte que admiro e amo. Vendo-o jogar, parece fácil praticar este esporte, o que, definitivamente, não é. Na minha opinião, Roger é o maior tenista da história! Seus números comprovam isso, além de toda sua classe, elegância e técnica para jogar tênis. Espero que ele continue desfilando sua categoria por muito tempo.

Federer conquistou seu 18o título de Grand Slam
Federer conquistou seu 18o título de Grand Slam

Outra grata surpresa foi à volta de Rafa Nadal. Ano passado foi um ano difícil para o espanhol, contudo, esse ano começou bem diferente, jogando um belo tênis. Um aspecto que melhorou no seu jogo foi seu condicionamento físico, ele é um jogador que depende muito de estar bem fisicamente. Para seu jogo render, seu físico deve estar na ponta dos cacos. A volta de ambos é fundamental para o esporte, pois atraem público e mídia para as competições, são grandes jogadores, maior rivalidade do tênis atualmente, enfim, o bem que fazem ao esporte é incomparável.

Na grande final feminina, as irmãs Williams se enfrentaram pela nona vez em uma final de Grand Slam. A última vez que jogaram em uma final de Slam foi há 14 anos. Juntas, somam 120 conquistas na simples. São quase 20 anos de rivalidade entre elas. Elas se enfrentaram 27 vezes, sendo que oito ocasiões foram para decidir um Slam. Ou seja, dois nomes emblemáticos do tênis feminino.

Serena está entre as melhores tenistas da história, ela conquistou 23 Slams, que é um número assustador e, provavelmente, será a jogadora com mais conquistas nos Grand Slams. A norte-americana era uma das favoritas a chegar a essa final. Fico impressionado com a força física dela, ela é muito mais forte que suas adversárias, consequentemente, consegue imprimir maior velocidade nos seus golpes, sempre ou quase sempre levando vantagem sobre suas oponentes.

As irmãs Williams com seus troféus. Duas lendas do tênis mundial!
As irmãs Williams com seus troféus. Duas lendas do tênis mundial!

O jogo de Venus não é mais o mesmo em consequência de sua idade, que, com ela, vieram à convivência com as lesões. Além de uma síndrome que afeta seu nível de energia. Nesse período, ela ficou longe das fases decisivas dos torneios, mas, felizmente, surpreendeu a todos e chegou em mais uma final de Major.   

As irmãs Williams revolucionaram o tênis feminino, seja pela maneira de jogar, os títulos, grandes jogos e grandes jogadas que proporcionaram ao público, os números conquistados durante suas carreiras, em suma, são jogadoras fantásticas e que representam muito bem o tênis feminino.